Bruno Koga

Sobre pessoas

Comecei a ler ontem o Player’s Handbook (Livro dos Jogadores) da quinta edição de Dungeons & Dragons. Embora não seja o maior nem o melhor jogador de RPG do mundo, jogo D&D com um grupo de amigos desde os meus 14, 15 anos e ultimamente, por dificuldades geográficas¹, temos jogado usando Google Hangouts e Roll20, inspirados pelo pessoal do Total Party Kill.

O prefácio do livro é ótimo. Tomei a liberdade de extrair e traduzir um trecho que resume bem o motivo de eu gostar tanto de jogar RPG:

Para jogar D&D, e para jogá-lo bem, você não precisa ler todas as regras, memorizar cada detalhe do jogo ou ser mestre na fina arte de rolar esses dados estranhos. Nenhuma dessas coisas tem importância no que é melhor nesse jogo.
O que você precisa são duas coisas, a primeira sendo estar com amigos que você possa compartilhar o jogo. Jogar com seus amigos é muito divertido, mas D&D fas algo mais além de entreter.
Jogar D&D é um exercício de colaboração criativa. Você e seus amigos criarão histórias épicas cheias de tensão e um drama memorável. Vocês criarão piadas internas que farão vocês rirem anos depois. Os dados serão cruéis mas você os derrotará. Sua criatividade coletiva irá construir histórias que você contará novamente e novamente, alternando dos maiores absurdos aos atos lendários.
Se os seus amigos não se interessam por jogos, não se preocupe. Existe uma química especial nas mesas de D&D que é diferente de tudo. Jogue com alguém o suficiente e vocês dois provavelmente terminarão amigos. É um efeito colateral legal do jogo. Seu próximo grupo de jogadores pode estar tão perto de você quanto a loja de jogos mais próxima, fórum online ou convenção de jogos.

Semana passada aconteceu uma das maiores conferências de desenvolvimento para iOS e Mac do mundo: a 360iDev, em Denver, nos Estados Unidos. Ano passado, por uma série de felizes coincidências, pude participar dessa mesma conferência. Gostei tanto que esse ano resolvi voltar (e trazer alguns amigos). Logo após a AltConf em junho passado, conversei rapidamente com o John (organizador das conferências 360) e consegui um bom desconto para levar brasileiros a edição desse ano.

Fomos em grupo de 12 brasileiros no total. Alguns mais experientes, outros que nunca haviam saído do Brasil antes. Dividimos os mesmos vôos, o mesmo hotel. Participamos da conferência e aprendemos muito com ela. Exploramos a cidade, bares, pontos turísticos e tenho certeza que todos tiveram uma ótima experiência e voltaram para o Brasil com ótimas lembranças dessa viagem.

É engraçado como as sessões de D&D se parecem muito com as conferências que tenho ido nos últimos meses. Tanto no jogo quanto nas conferências, o que importa mesmo são as pessoas que estão ali e o quanto elas querem criar, juntas, experiências únicas e memoráveis para todo mundo. Encontrar velhos amigos, conhecer novas pessoas e juntos criarem um ambiente onde todo mundo possa se divertir aprender.

É muito difícil explicar para alguém que nunca jogou D&D o quanto o jogo pode ser legal. É igualmente difícil explicar para alguém que nunca foi numa conferência como ela pode mudar a sua vida. A 360iDev esse ano foi demais.

Obrigado a todos os brasileiros foram a 360iDev desse ano². Espero que a experiência tenha valido a pena para vocês, da mesma forma que valeu para mim.

Obrigado John pelo apoio. Vai treinando seu português, pois ano que vem estaremos de volta.

(Se você é brasileiro e tem vontade de ir a conferências fora do país mas não sabe por onde começar, adoraria ajudar :)


¹ Eu em São Paulo, O Yumê em Sertãozinho, O Pitomba em Fortaleza, o Kim que estava em Caxias do Sul mas mudou pro Rio e o Bruno em Barcelona.

² Marcelo, Marcelo, Gustavo, Gustavo, Bruno, Bruno (eu), Marília, Juliana, Guilherme, Christian, Rafael e Tales.