Bruno Koga

Ilha Solteira - Parte 0

Existe uma história que eu sempre quis contar, mas nunca consegui. É a história da maior aventura da minha vida.

Já tentei contá-la e escrevê-la dezenas de vezes, mas sempre acabo me perdendo nos detalhes e nas lembranças de tudo que aconteceu.

Achei alguns textos que escrevi em 2008 contando como foram esses dias que eu e três amigos decidimos sair de São Carlos até a Ilha Solteira de carona, com os bolsos praticamente vazios para ir a um festival de música. Já postei esses textos em algum lugar no passado, mas quero tentar rescrevê-los e contar detalhes de como foram esses dias. Me conheço bem: sei que se eu tentar escrever tudo de uma vez antes de publicar, ninguém jamais lerá essa história. Vou publicá-la em partes - não necessariamente na ordem que os fatos aconteceram. Vou tentar lembrar e escrever todos os detalhes dessa viagem e, como já fazem 6 anos, muitas dessas lembranças podem ter sido enfeitadas ou até mesmo inventadas pela minha memória. Mas não quero, também, que isso seja outra desculpa para eu não escrever.

Espero que gostem. Essa é mais uma tentativa de contar essa história maluca.

##Ilha Solteira - Parte 0

Nos dias 12, 13 e 14 de Setembro aconteceu o Festival InterUNESP de Música. Eu só tinha ouvido falar desse festival uma vez, pelo Bobby, no ano passado. Este ano ele resolveu me convidar e eu consegui agitar uma turma pra ir. O festival ocorre anualmente, na Ilha Solteira, que é uma ilha fluvial, situada no Rio Paraná, na divisa com o Mato Grosso do Sul. Não sabíamos muito mais do que isso. A idéia era achar um lugar pra acampar por lá. Eu (junto com a Veri, a Keylla e a Monicão) íamos, a princípio, de ônibus (da UNESP Rio Claro) e gastar uns bons 100 reias com a viagem. O Thiago, a Gabi, o Lucas e a Marília iam, aos pares, tentar pegar carona na estrada.

Naquela época eu estava no meu segundo ano de faculdade: após passar 2 anos no Japão, voltei em junho de 2006 e prestei vestibular para Informática na USP de São Carlos, uma cidade até então praticamente desconhecida para mim. Cursei o primeiro semestre e, por um ou outro motivo, tranquei o segundo. Voltei em 2008, com o currículo atrasado. Durante o terceiro semestre cursei 8 disciplinas (3 a mais do que o normal) e eu estava, então, no quarto semestre, cursando 9 disciplinas.

Já estávamos com tudo pronto (na medida do possível) para a nossa aventura. Porém, dois dias antes da viagem, o Lucas me disse que a Marília não ia mais e que ele precisava de alguém pra ir (tentar) pegar carona com ele. Eu tinha provas da faculdade na segunda e na terça e, pela segurança da volta, preferia ir de ônibus. Mas o Lucas me convenceu a ir com ele. E essa também acabou sendo a minha única chance de ir já que, não lembro exatamente o motivo, eu estava sem dinheiro e não ia conseguir pagar o ônibus da UNESP (e, no fim, a Keylla, a Monicão, a Veri com mais um conhecido (o Love) acabaram rachando as despesas e indo de carro com o Gilson).